Brincadeiras para crianças com síndrome de down: como elas ajudam no desenvolvimento

7 minutos para ler

A brincadeira é uma ferramenta universal para o desenvolvimento social, emocional e físico das crianças. Não importa a classe social, a raça ou a idade: a molecada precisa brincar para aprender e crescer.

Para as crianças com Síndrome de Down, isso não é diferente. Essa alteração genética é mais comum do que você imagina e responde por 91% dos casos do tipo. No Brasil, temos 300 mil crianças com essa condição — e, pode ter certeza, elas adoram brincar como qualquer outra da turminha!

Com as atividades certas, é possível ajudar o desenvolvimento motor, de aprendizado e de convívio da meninada. Quem disse que um par de cromossomos extra precisa ser um problema?

Para descobrir quais são as alternativas ideais, confira 7 opções de brincadeiras para crianças com Síndrome de Down!

A importância das brincadeiras para crianças com Síndrome de Down

Antes de explorar as melhores alternativas de diversão, é fundamental entender a importância das brincadeiras. A Síndrome de Down causa algumas limitações, como atraso na fala, nas funções motoras e mentais. Porém, com apoio, carinho e segurança, é possível garantir a essa turminha um desenvolvimento saudável para que possam ter uma vida positiva.

A criança que tem essa alteração genética precisa dos estímulos corretos para que possa desenvolver suas habilidades. É por meio desse entusiasmo que a molecada aprende a executar tarefas do dia a dia e pode fazer parte da rotina familiar.

É aqui que as brincadeiras entram: afinal, são uma forma de fazer a turminha ter impulsos auditivos, táteis e visuais. Ao brincar, todo mundo está em atividade constante e percebe melhor o mundo, já que a criança se envolve com os brinquedos e extravasa suas emoções.

O ato de brincar também é essencial para a socialização dos pequenos com SD, já que eles têm contato com outras crianças sem e com essa alteração genética, e aprendem a interagir. É uma forma de se sentir incluídos na turminha e entender que fazem parte de um todo, que podem se comunicar, dividir, ter experiências, fazer amigos e se divertir.

O uso dos brinquedos certos nessas atividades

Escolher os brinquedos certos para a meninada reforça a importância das brincadeiras para crianças com Síndrome de Down. Com eles, é possível proporcionar um ambiente rico em estímulos, mas que seja seguro.

Afinal, a molecada ainda está se aventurando e aprendendo, por isso, precisa de tranquilidade e aconchego para assimilar as atividades. Investir em brinquedos coloridos, com sons e texturas diferentes, é uma boa forma de começar a experimentar.

E não se esqueça da qualidade, viu? Eles precisam ser seguros e devem oferecer a melhor experiência!

As 7 brincadeiras para crianças com Síndrome de Down que se destacam

Para ajudar no desenvolvimento e garantir a diversão sempre em alta, algumas opções são as ideais. A seguir, vamos mostrar as principais brincadeiras que podem ajudar no desenvolvimento dessa molecada. Confira!

1. Jogo dos obstáculos

O jogo dos obstáculos é uma forma de incentivar o desenvolvimento da habilidade motora, da consciência corporal, do equilíbrio e da coordenação das crianças com SD. Também é uma maneira de fazer a turminha aprender que pode superar contratempos e restrições, e se sentir confiante por ter conseguido.

Essa atividade pode ser realizada, até mesmo, na sala de casa: basta montar um percurso com obstáculos para que a criança passe. A brincadeira pode ser feita com almofadas, uma corda delimitando o caminho e brinquedos — basta soltar a imaginação.

A dificuldade pode variar de acordo com a idade e a capacidade motora. Lembre-se de que um percurso muito difícil pode frustrar os pequenos, enquanto um caminho fácil não desafia as habilidades.

2. Brincar em frente ao espelho

A brincadeira com espelho desenvolve a autopercepção e é um jeito de a criançada se reconhecer e perceber os movimentos. É uma atividade lúdica, que trabalha o desenvolvimento psicológico e ainda auxilia a descobrir os limites do próprio corpo.

Assim, vale pedir para a molecada fazer diferentes expressões faciais e caretas. Imitar gestos também é uma atividade benéfica, além de apontar para determinada parte do corpo e perguntar o nome.

Posicionar um espelho de frente para a criança enquanto ela brinca é outra maneira de ela se enxergar e perceber o seu espaço.

3. Jogos para descobrir e conhecer melhor as formas

brincadeiras para crianças com síndrome de down

Atividades que exercitam a percepção visual das crianças são fundamentais para que elas entendam como as coisas ao seu redor funcionam. Brincadeiras que envolvam formas ajudam a melhorar a coordenação motora.

Isso acontece porque a turminha percebe o que encaixa e como manusear um objeto. Também há uma percepção de espaço, tamanho e profundidade dos itens.

Para administrar esses jogos, é possível apresentar desenhos de triângulo, quadrado, círculo e retângulo e pedir para que o pequeno aponte objetos com aquelas formas. Estimular que desenhem as formas geométricas é de grande ajuda, assim como recorrer a brinquedos de encaixe.

4. Brincadeiras que ensinam sobre os alimentos

Brincadeiras que estimulam o aprendizado sobre alimentos são ótimas para reconhecer texturas, formar um bom paladar e incentivar a experimentar coisas novas. Essa atividade pode ser realizada durante as refeições, ao perguntar os nomes dos alimentos no prato. Outra ideia é trazer biscoitos doces e salgados e pedir que a criança separe-os de acordo com o sabor.

As frutas também entram na brincadeira: ofereça opções para a turminha determinar quais são doces, cítricas ou azedas (ácidas). Ao fazer compras, é interessante chamar a molecada e mostrar quais alimentos precisam ficar na geladeira, na despensa ou em outro lugar específico.

5. Jogos da memória

Algumas crianças com Síndrome de Down têm dificuldade intelectual e problemas em desempenhar duas atividades ao mesmo tempo. Por isso, é importante apostar em brincadeiras que estimulem a concentração e a memória.

O jogo da memória é divertido e melhora o foco, o que traz benefícios para a turminha. Se você não tiver um em casa, não se preocupe: dá para fazer o seu de maneira bem simples.

Escolha símbolos, como casa, animais, alimentos e outros objetos. Então, desenhe dois de cada em cartões ou imprima da internet. Disponha para a turminha determinar os pares e, a cada acerto, pergunte o que é a imagem.

6. Esconde-esconde

Juntar a meninada para brincar de esconde-esconde é outra opção positiva para o crescimento das crianças com Síndrome de Down. É um jeito de trabalhar o raciocínio e a coordenação motora.

Essa brincadeira ajuda o pequeno a determinar qual lugar é o mais adequado para que ela se esconda ou descobrir em que local os amigos estão escondidos. A atividade ainda exercita a musculatura e melhora o controle corporal.

7. Massinha de modelar

Brincar com massinha de modelar favorece a criatividade — afinal, a criança poderá criar objetos variados. A coordenação motora também sai ganhando, já que a turminha precisa modelar e manusear a massinha para que ela se transforme no que deseja. Isso exercita os dedos e as mãos, além de trabalhar o tato e a visão.

A massinha pode ser oferecida em cores para que ela solte a imaginação, ou vir com moldes de números, de formas geométricas, de carros e, até mesmo, de pizza. É importante que sempre haja a supervisão de um adulto durante as atividades.

As brincadeiras para crianças com Síndrome de Down são estímulos essenciais para o desenvolvimento de habilidades motoras, mentais, emocionais e sociais. Ao saber quais brincadeiras fazer com a criançada, a diversão é garantida, assim como o crescimento saudável!

Quer ter acesso aos nossos conteúdos em primeira mão? Então, assine a newsletter e receba os novos posts na sua caixa de entrada!

CTA_Importância-do-brincar-na-vida-da-criançaPowered by Rock Convert
CTA_Importância-do-brincar-na-vida-da-criançaPowered by Rock Convert
Posts relacionados

Deixe um comentário