Briga entre irmãos: como reduzir sem se estressar

6 minutos para ler

Quem tem mais de uma criança em casa sabe: é quase impossível não existir briga entre irmãos! Os conflitos são comuns e acontecem por diversos motivos, como ciúmes, personalidades diferentes e falta de habilidades sociais e emocionais. A quarentena, obrigando um convívio mais próximo, deixa essa relação ainda mais sensível.

Contudo, é papel dos adultos cuidar da jornada da criança e oferecer um clima propício ao desenvolvimento. Por isso, é importante saber ajudá-la a lidar com essas situações.

Sendo assim, que tal pegar nossas dicas, para ver a paz reinando, de vez, em casa? É só seguir com a leitura!

Quando a briga estiver acontecendo

Certamente, essa é a situação que mais exige paciência da parte dos adultos, já que gritarias e tapas quebram com a harmonia de qualquer ambiente. Ainda assim, existem boas sugestões. Confira!

Espere o momento certo para intervir

Desde já, o pensamento do adulto deve estar no longo prazo. É bem comum que, devido à grande irritação, exista a impaciência de querer que as crianças acabem logo com a briga. Falas do tipo: “parem com isso, fiquem quietos!” não resolverá o problema e poderá deixar mágoas que influenciarão em futuros conflitos.

A primeira postura deve ser a de observação. Analise como as crianças expressam suas vontades e como tentam chegar a uma saída. É interessante que elas aprendam, desde cedo, a resolver dificuldades e negociar soluções.

Contudo, ligue o alerta se perceber ofensas sérias, brigas físicas e muita agressividade. Nessas situações, intervenha e ajude a controlar os ânimos.

Não puna excessivamente e nem grite

Crianças aprendem com as consequências das ações. Dependendo do tipo de comportamento, vale um castigo. Mas é importante que essa punição represente uma forma de educação e incentivo à reflexão, não sendo apenas um meio de o adulto descontar a irritação. O mesmo vale para o grito. Ele não educa, assim como não aproxima.

Os pequenos aprendem muito com nossa forma de agir, não apenas pelo que falamos. Assim, a gritaria e o castigo severo, principalmente com palmadas, os ensina a agir desse mesmo modo no futuro.

Na rotina do convívio de crianças e adultos

Sabia que, algumas vezes, os conflitos são motivados ou por circunstâncias que nem percebemos, ou pelas pessoas que convivem com os pequenos? Então, veja algumas dicas nesse sentido!

Não compare e nem diminua a criança

A intenção das comparações pode ser boa. Para os adultos, a ideia de ressaltar um atributo positivo do irmão é apenas para motivar a mudança. Porém, saiba que a criança não interpreta dessa maneira. Além de ela se sentir diminuída, esse tipo de comunicação só tende a gerar ciúmes e sentimentos de inferioridade, que predispõem aos conflitos. Entenda a individualidade de cada criança, que tem personalidade, idade e maturidade distintas.

Você pode mostrar que o que está acontecendo é ruim, mas com o devido cuidado para que a criança não se sinta diminuída. Para isso, desaprove o comportamento, não a criança. Evite afirmações como: “você parece um bebê”, ou “você é um bobo”. No lugar disso, prefira: “seu modo de agir não foi legal, porque fez seu irmão se sentir mal”.

Incentive o diálogo e ensine princípios

Passou a tensão? Chame os dois irmãos para uma conversa. Ensine como dialogar e expressar os sentimentos. Deixe que cada um tenha seu tempo de falar, sem interrupções, exteriorizando o que pensa.

Algumas perguntas são boas para estimular uma reflexão melhor sobre a situação. Por exemplo: “como você se sentiria se estivesse no lugar do seu irmão? Qual sua ideia para resolver esse conflito, deixando uma situação positiva para os dois lados? Qual sua sugestão para evitar essa briga no futuro?”. Também, não se esqueça de estipular regras de convivência na casa, como não gritar, não empurrar e não bater.

Tudo isso ajuda em vários sentidos. Primeiro, a exercer habilidades sociais e emocionais. Também é uma forma de estimular bons valores, como respeito, empatia, importância de dividir e aceitação das diferenças.

A ideia é dar espaço para os dois se ouvirem e evitar que você caia no grande erro de algumas famílias: passar a mão na cabeça do menor. Os dois precisam entender que os sentimentos do outro são valiosos também.

Reserve um momento especial para cada irmão

Ter um momento com cada um ajuda a preencher as necessidades de aceitação e pertencimento. Isso gera uma conexão mais positiva com a família, e diminuem as competições por atenção. Poucas horas na semana já valem, mas é interessante que esse tempo seja de qualidade. Conversas, leituras, filmes e um passeio à sorveteria são exemplos de atividades gostosas e positivas para todos.

Observe sua relação com outras pessoas

Adultos são espelhos para crianças. Então, tenha atenção ao que acontece no mundo externo delas. Elas presenciam muitas brigas e gritarias? Como você lida com as próprias emoções negativas? O que acontece quando outra pessoa se recusa a fazer algo que você deseja? Dar o exemplo é fundamental para que a meninada também saiba como agir com suas frustrações.

Na relação entre irmãos

Existem formas de agir antecipadamente e evitar uma briga entre irmãos. Então, acompanhe as seguintes dicas!

Sugira as mesmas brincadeiras

briga entre irmãos

Estimular o bom convívio leva a criar uma família feliz. Ainda que as brigas aconteçam de vez em quando, é legal que a meninada saiba rir e brincar. Isso aumenta o vínculo e ajuda a encontrar gostos em comum.

Por exemplo, um pedaço de massinha pode ser distribuído a cada um, que terá uma atividade diferente e compatível com a idade. E que tal ter um quebra-cabeça para cada e fazer uma tarde recreativa? Certeza que será só alegria!

Proponha para cada um ter um dia de escolha

Brincar juntos é uma das melhores maneiras de incentivar a união. Aqui, a ideia é, a cada dia, um dos pequenos escolher qual será a diversão da vez. E se falta criatividade para decidir algo, então aqui vai a dica: jogos de tabuleiro ou games eletrônicos são boas pedidas. Os pais, os tios e os avós também podem entrar nessa e apresentar boas brincadeiras antigas.

Bem, apesar de ser inconveniente, é importante entender que a briga entre irmãos é normal, inclusive pode ser positiva, pois treina as crianças para o autoconhecimento, a negociação diplomática e o crescimento emocional. Sendo assim, ajude-as a lidar com essas questões da melhor forma, combinado?

Que tal continuar navegando pelo nosso blog e descobrir como estimular os pequenos a fazerem mais atividades offline? Então, leia o artigo!

Posts relacionados

Deixe um comentário